Páginas

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Dobradura de Sapo


Que tal o Kaeru?


O sapo para algumas pessoas é considerado um anfíbio assustador, talvez porque a sua pele tenha uma coloração variável, com tons castanhos, e apresenta espinhos e verrugas. Apesar dessa aparência um pouco esquisita, o sapo é um grande colaborador na natureza, pois come vários tipos de insetos que prejudicam as plantas, dessa forma quem possue jardim, saiba que ter sapos por lá, faz muito bem para o equilíbrio da natureza. Se nós não conseguirmos viver com os sapos, pelo menos tentemos entender sua importância na natureza e respeitemos seu espaço.

Para civilização antiga, Maia, na América Central, o coaxar das rãs representava o anúncio de chuva, gerando consequentemente uma relação com o crescimento das plantas, e também tendo uma simbologia envolvendo o nascimento e a fertilidade. Na Idade Média é que iniciaram uma associação do sapo com manifestação do mal e bruxaria.

No Egito, os sapos eram muito respeitados, considerados futuros bebês. As mulheres na cultura egípcia usavam amuletos na forma estilizada de uma rã.

Na cultura japonesa o sapo, chamado de Kaeru, representa amor e fertilidade, assim como na cultura Maia, mas também significa o verbo voltar. Por isso os japoneses dizem que ao carregá-lo na bolsa ou carteira, na forma de estatueta ou mesmo na forma de origami, faz o dinheiro gasto voltar e nunca faltar, e ao darmos a um visitante da nossa casa, ele sempre voltará a nos visitar.


Um comentário:

Anônimo disse...

o que eu estava procurando, obrigado